NOS Alive’17 – Uma edição de sucesso

NOS Alive’17 – Uma edição de sucesso

11/07/2017

Ao longo dos três dias esgotados, o festival contou com 125 atuações nos Palcos NOS, Heineken, NOS Clubbing, EDP Fado Cafe, Comedia, Coreto by Arruada e Pórtico NOS, 165.000 assistiram ao vivo e quatro milhões de pessoas acompanharam o festival através das emissões da RTP, Rádio Comercial e canal oficial NOS Alive, nasceu o primeiro bebé nos alive e celebrou-se 10 anos das Bolsas NOS Alive – IGC, nesta que ficou marcada como uma das melhores edições de sempre, assinalada por momentos únicos celebrados no Passeio Marítimo de Algés.

O NOS Alive’17 fez história. O festival que esgotou os passes de três dias e os bilhetes diários a três meses da abertura de portas, viveu três dias intensos, com concertos considerados pelo público e pela crítica apoteóticos e um ambiente inigualável. Pelo Passeio Marítimo de Algés passaram ao longo dos três dias 125 atuações, nos palcos NOS, Heineken, NOS Clubbing, EDP Fado Cafe, Comédia, Coreto by Arruada e Pórtico NOS, e 165 mil pessoas, entre as quais 22 mil estrangeiros, provenientes de mais de 80 países.
A 11.ª edição fica marcada pelo nascimento do Rodrigo, o primeiro bebé NOS Alive, que decidiu nascer enquanto os pais assistiam ao concerto dos The xx, no espaço Saúda, a zona do festival exclusiva para grávidas. Com tranquilidade os pais seguiram para o Hospital Garcia da Horta, onde passadas 24 horas nasceu o Rodrigo, com os The Kills a ditarem a banda sonora no Passeio Marítimo de Algés.
A transmissão levada a cabo pela RTP permitiu que todos aqueles que não conseguiram garantir o seu bilhete pudessem acompanhar em casa passo a passo desta edição. Ao longo dos três dias do festival mais de três milhões de portugueses contactaram com a RTP 1 durante as emissões de programas do NOS Alive. A média de reach de todas as emissões é de 944 mil espectadores. Já o online superou todas as expectativas e a RTP Online verificou, face aos resultados de 2016, um crescimento de 495% no número de visitas aos canais RTP Play dedicados ao NOS Alive e um aumento de 125% no número de visitas ao site do festival. Nos três dias de NOS Alive, para o total de conteúdos nos sites da RTP, registou-se um tráfego de cerca de 900 mil pageviews: RTP Play; Site NOS Alive; On demand e iFrames.
Através do Canal Oficial NOS Alive – um exclusivo NOS disponível na posição 700 – acompanharam o festival 852.924 pessoas, superando a performance do ano anterior e demonstrando o sucesso da aposta num formato inédito no panorama dos festivais nacionais.
Já a Rádio Comercial garantiu aos seus ouvintes 34 horas de emissão em direto, 12 transmissões de concertos, 23 convidados em estúdios, 14 horas de vídeo gravadas, 214 fotografias publicadas, e conteúdos partilhados em todas as plataformas. A emissão levada a cabo pela Rádio Comercial contou com uma equipa de 32 pessoas.
No âmbito da iniciativa do Fundo Ambiental promovida pelo Ministério do Ambiente, o programa “Sê-lo Verde” 2017, os festivaleiros entregaram ao longo dos três dias, nos pontos de recolha, 138.510 copos usados. A Sociedade Ponto Verde fez também questão de manter a sua parceira com o NOS Alive, através da campanha “Reciclagem, Sempre!”, que pretende sensibilizar os festivaleiros a uma reciclagem contínua, mesmo fora de casa.
Nesta 11.ª edição celebrou-se ainda o 10º aniversário da parceria entre o NOS Alive e o Instituto Gulbenkian da Ciência (IGC), que já resultou no financiamento de 14 jovens cientistas. A inédita parceria estabelecida em 2008 entre um instituto de investigação científica e uma promotora musical levou à criação do programa de bolsas de investigação NOS Alive-IGC. Com duração de um ano, estas bolsas visam apoiar o início da carreira científica de jovens Portugueses recém-licenciados, possibilitando-lhes realizar um projeto científico num grupo de investigação do IGC com um período de trabalho numa instituição estrangeira.
Este ano, já abriu o concurso para duas bolsas de investigação NOS Alive-IGC. Com três projetos de investigação disponíveis a concurso nas áreas de doenças infecciosas, infeção e imunidade, e neurociências, os dois candidatos selecionados poderão escolher qual o projeto que querem desenvolver. O período de candidaturas termina a 31 de agosto. Todos os jovens cientistas que beneficiaram de uma bolsa NOS Alive-IGC continuam a fazer investigação científica. Três são atualmente investigadores doutorados em instituições científicas em Espanha e no Reino Unido, e sete estão neste momento a realizar doutoramento em Portugal ou no estrangeiro. O trabalho que desenvolveram no âmbito destas bolsas resultou já em 7 artigos científicos publicados e outros 3 estão em fase de preparação.
O NOS Alive recebeu ao longo dos três dias imprensa de todo o mundo, destes 118 internacionais e 420 nacionais.
Em 2018 o NOS Alive está de regresso ao Passeio Marítimo de Algés nos dias 12, 13 e 14 de julho.
REQUALIFICAÇÃO DA PASSAGEM INFERIOR PEDONAL DA ESTAÇÃO DE ALGÉS
A passagem inferior pedonal da Estação de Algés, na Linha de Cascais, foi requalificada, e quem por lá passou a partir da passada quarta-feira, foi surpreendido com um espaço renovado e decorado com arte urbana dos artistas Jorge Cordeiro, Pedro Esteves, “Nomen”, “2upla Brunogiao e Lucianosilvantes”. A intervenção nesta passagem inferior pedonal, resultou de uma parceria entre a Câmara Municipal de Oeiras, a Infraestruturas de Portugal e a CP-Comboios de Portugal e, incluiu ainda a beneficiação do piso da passagem inferior e acessos às plataformas, bem como a substituição de algum mobiliário urbano e iluminação.
Esta ação desenvolve-se no âmbito do trabalho realizado de defesa do património ferroviário edificado que tem, nos últimos anos, sido alvo de uma particular forma de vandalização e desvirtuação: os graffitis não autorizados. Por via desta prática abusiva os utilizadores das estações vêem-lhes ser negados alguns direitos legítimos, reclamando uma ação permanente no sentido de ver minorar o impacto negativo que os graffitis têm. A intervenção de requalificação da passagem inferior pedonal da Estação de Algés agora concluída constitui mais um contributo para a preservação e valorização de um património que é de todos e que a todos cabe preservar.

 

Comentários